Como melhorar a educação em nosso país

Não limite seus recursos: na era digital, você não deve se limitar aos livros, porque você pode acessar diferentes opções para estudar. Podcasts, vídeos, animações, tabelas, gráficos, infográficos … Não descarte nenhum recurso antes de usá-lo.

Avalie seu progresso: você não deve esperar até que a Selectividade saiba exatamente onde você está, você pode avaliar seu progresso programando testes ou fazendo perguntas. Desta forma, você será capaz de identificar mais facilmente esses conhecimentos que você deve reforçar.

Quem vem à Espanha para estudar depara es com muitas diferenças no sistema educacional. Eu mesma vim pra fazer o mestrado, que não seria o Brasil ou o mestrado, mas aqui a maioria dos mestres dura apenas um ano, começando em setembro ou outubro e comitas até junho do ano seguinte.

Veja porquê os países desenvolvidos investe na educação

Já o TFM (Trabalho de Fim de Máster) geralmente pode ser feito em junho, setembro ou no próximo ano. Mas, assim como não o Brasil, posso fazer um curso de graduação. A principal diferença é os sistemas educativos para quem está fazendo uma graduação aqui, começando do zero. Isso porque ou ingresso à universidade na Espanha é diferente do Brasil, ondemos ou vestibular.

Hoje hoje em dia praticamente tudo vestibulandos façam ou ENEM, como melhores universidades do país, eventualmente 3,4, 5 provas vestibulares. É o maior investimento na história para a manutenção dos campi que foi alcançado com a listagem dos títulos da dívida na Bolsa Mexicana de Valores (BMV).

Mas dinheiro não é suficiente para melhorar a avaliação do sistema educacional do país. Estas são deficiências que visam erradicar com a reforma da educação promulgada em 2013. Entre os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o México tem o pior desempenho em aprender ciência, leitura e matemática.

Como devemos melhorar a educação?

No entanto, quatro anos e bilhões de pesos depois, o país permanece em último lugar na avaliação educacional da OCDE. E é que o dinheiro, por si só, tem sido insuficiente coincidir com especialistas e autoridades inep ENEM.

Maus condições nas escolas, problemas na formação de professores, controle da dissidência sindical em instituições de ensino em quatro estados e a exclusão sofrida por milhares de estudantes que não conseguem concluir seus estudos.

Até o momento, o investimento histórico no orçamento está focado em dar a manutenção que por vários anos deixou de ser aplicada às escolas. “O item de infraestrutura é o que apresenta os avanços mais visíveis, há uma diferença importante em relação ao que foi feito”, explica.

Uma questão urgente para participar, mas é apenas um passo, diz BBC Mundo David Calderón, presidente executivo da organização Mexicanos Primero, um dos mais ativos no tema educacional do país.

Veja como participar da escola de seu filho?

“A mudança é perceptível, de um abandono histórico e brutalidade existe agora uma infra-estrutura mínima que não é adequada, vai demorar para chegar ao resto do sistema.” Algo em que as autoridades não coincidem completamente.


“Estabelecemos um novo modelo de infra-estruturas ligadas ao novo modelo educacional, você não pode separar as questões”, disse à BBC Mundo Hector Gonzalez de la Garza, diretor do Instituto Nacional de Infraestrutura de Educação Física (INIFED).

É a área do Ministério da Educação Pública (SEP) responsável pela aplicação do investimento histórico na manutenção das escolas. “Melhores professores com todo o processo de treinamento e avaliações que são realizados em conjunto com o conceito de melhores escolas já estão dando resultados tangíveis neste momento”.